PROJEÇÕES DO E-COMMERCE PARA 2018

27 de março de 2018 por


Os números relacionados ao e-commerce no Brasil em 2017 foram bastante animadores.

Segundo dados da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), o setor teve crescimento de 12% em relação à 2016, fechando o ano com um faturamento de R$ 59,9 bilhões. A projeção de crescimento para 2018 é chegar a um volume de mais 220 milhões de pedidos e alcançar um faturamento de R$ 69 bilhões.

De acordo com esses resultados, o futuro do e-commerce brasileiro deve ser cada vez mais positivo, uma vez que, tanto o comércio quanto as indústrias estão se interessando mais por soluções que conduzem a uma participação mais efetiva nas redes sociais e em todos os meios digitais.

Os sinais de recuperação da economia fazem com que, aos poucos, a população retome seus hábitos de consumo, e esta é uma ótima oportunidade para fortalecer os negócios.

As Redes Sociais são ferramentas importantes para empresários que atuam com qualquer tipo de e-commerce, pois o alcance e a repercussão que um post pode atingir podem ser muito maiores que um spot publicitário na TV, por exemplo.
A dimensão desse alcance é confirmada por pesquisas do IBGE, que constataram que cerca 116 milhões de brasileiros ou 64% da população acima de 10 anos de idade estão conectados à internet.  Usuários que interagem e consomem conteúdo são clientes em potencial dos comércios que oferecem mecanismos on-line de compras.

Em se tratando da contribuição no aumento das vendas e no sucesso dos empreendimentos, o uso de ferramentas de marketing está cada dia mais presente nas estratégias das empresas, e, estar presente no meio digital faz toda a diferença.

A popularização do acesso à internet através de aparelhos celulares confere ainda ao seguimento do comércio virtual um canal de comunicação bastante especial no relacionamento entre as marcas e o seu público.

Consumidores brasileiros que utilizam smartphone estão acima da média mundial, em se tratando de utilização de aplicativos móveis. De acordo com o relatório global Wordplay, 78% dos usuários brasileiros preferem comprar por meio de um aplicativo em vez dos navegadores para dispositivos móveis

Essa pesquisa mostrou ainda que dois terços dos Brasileiros (63%) se sentem confortáveis em fornecer dados biométricos, como impressões digitais e reconhecimento facial, de modo que, além de garantir mais segurança às transações, essa medida torna o processo de pagamento mais rápido.

Para Juan D’Antiochia, General Manager da Worldpay para a América Latina, os dados confirmam que os consumidores brasileiros estão cada vez mais exigentes, em sincronia com o aperfeiçoamento do mercado, mais tarimbado e seguro para oferecer opções de pagamento.

Na avaliação do executivo: “O comerciante que entregar a melhor experiência terá muito a ganhar, já que os consumidores estão comprando produtos de maior valor via aplicativos. Com o avanço de novas tecnologias, haverá espaço para assistentes virtuais e serviços conectados, o que irá facilitar ainda mais a vida do consumidor. As marcas que oferecerem a melhor experiência de pagamento móvel, de forma rápida e segura, verão menos desistências nas compras, mais downloads dos aplicativos e, consequentemente, um maior volume de vendas dos seus produtos e serviços”, conclui Juan D’Antiochia.

.FONTES: IBGE; ABCOMM; Revista Exame;